O seu portal de música latina

Midem 2019: evento aborda o crescimento da música latina via streaming

É notável o crescimento da música latina no decorrer dos anos em todo o mundo. E este foi o tema abordado no evento Midem, que reuniu 3 importantes representantes da indústria da música latina para falar sobre a internacionalização dos artistas. O Midem é o maior encontro mundial de empresas ligadas à música e tem trazido grandes debates há anos.

Os convidados foram Jorge Juarez, cofundador e CEO da Westwood Entertainment (México) Jorge Rincon, VP Américas, Deezer (EUA) e Laura Tesoriero, VP América Latina, The Orchard (Argentina). O evento foi moderado por Zach Fuller, analista de mídia da MIDiA Research (Reino Unido).

Certamente, um dos pontos de maior importância e questionamento, é por qual razão a música latina explodiu só agora. Levando em consideração que sempre foi um mercado de potencial.

Para Laura, o mercado está mais maduro agora e o crescimento do streaming faz parte disso. “Por que isso não aconteceu antes? Se isso tivesse acontecido antes, poderíamos aproveitar a receita de downloads. Em nosso mercado, fomos diretamente do físico para o streaming e não tivemos um estágio de receita de download, que nos afetou como mercado . Quanto ao porquê agora, acho que uma das principais razões é que conseguimos colocar nosso pé na América Latina graças ao Deezer, que na Argentina e no Brasil foi incrivelmente bom porque foi pioneiro no mercado. Eu acho que o mercado está maduro o suficiente e esse é o principal motivo”, contou.

De fato, a plataforma Deezer tem uma abordagem mais direta e personalizada em sua comunicação. Jorge Rincon contou um pouco sobre como funciona a distribuição da comunicação e marketing da plataforma.

“No Deezer trabalhamos com uma abordagem muito local em cada mercado e entendemos como o conteúdo local e a curadoria local desempenham um papel muito importante nos diferentes países da América Latina . Quando você abre o Deezer na Colômbia, o conteúdo que você vê na página principal é muito diferente do que você vê quando abre o Deezer no México. Também acreditamos que promover artistas locais é a chave para o sucesso, por isso criamos um programa chamado Deezer Next, no qual cuidadosamente escolhemos artistas de cada região que acreditamos que estão prestes a explodir. Nós os promovemos com marketing, redes sociais, publicidade, playlists e outras atividades que fazem esse artista se destacar. Um exemplo disso é Brytiago, um artista urbano de Porto Rico que cresceu 150% em reproduções depois que o promovemos em Deezer Next. A promoção de campanhas de marketing para artistas nos beneficia a todos, porque ter artistas de sucesso nos beneficia a todos e as plataformas de streaming representam a meta final para alcançar o sucesso.”

E ainda acrescentou a importância das playlists nesse processo de divulgação.

“As playlists desempenham um papel muito importante. Nós temos nossos editores e um sistema de “ladder” em que colocamos uma música quando ela é lançada em uma playlist e subimos de nível para listas criadas por outros artistas como Don Omar, por exemplo. Mas também temos outro método, que foi criado pelo Deezer, chamado Flow , no qual o usuário simplesmente pressiona o play e ouve uma mistura de curadoria e dados, ele reproduz músicas que já sabemos que ele gosta; aqui nós introduzimos essas novas músicas que queremos promover, como parte do “Flow”, que cria uma experiência muito particular. Uma das melhores coisas do rádio é que você nunca sabe o que vem a seguir; em uma playlist, se você sabe, o que tende a arruinar o fator surpresa. O Flow traz de volta esse efeito surpresa e gera muita tração: mais de 40% de nossos usuários ativos mensais estão muito viciados no Flow.”

Trazendo um questionamento sobre a forma como o consumo de música mudou, foi levantada a questão sobre distribuição da forma como o ouvinte reproduz as faixas.

“Neste momento estamos dando a artistas e gravadoras todas as ferramentas para visualizar os dados e poder ver de onde as reproduções vêm em cada um dos canais. Com essa informação, eles podem planejar, embora onde apresentar ao vivo ou fazer marketing melhor. Damos a eles dados no nível da taxa de salto de cada música em cada país, para que eles possam analisar e tomar decisões. A função de um distribuidor hoje é poder oferecer ferramentas para os selos, se isso não for feito, não tem motivo para isso.“, disse Laura.

Já em relacao a vendas eles foram questionados sobre o lucro líquido ser mais constituído por streaming premium ou a receita direta.

“Existem dois modelos, o modelo passado e o novo modelo. No último modelo, tivemos apenas vendas de ingressos, passeios e patrocínios. Mas agora, se você trabalha bem, as plataformas podem ganhar muito mais dinheiro. O talento que uso vem do modelo anterior, por isso tenho trabalhado na atualização de seu modo de pensar para criar mais conteúdo, fazer colaborações e obter as receitas de streaming que agora representam uma grande oportunidade. Um exemplo é o grupo mexicano Reik; Eles foram muito bem sucedidos em turnês, mas desde que começamos a colaborar com artistas urbanos, eles agora têm um alcance global e recebemos pagamentos de diferentes mercados. Eles entenderam que, se continuarem a retirar o conteúdo e criar músicas para o catálogo, poderão continuar vendendo ingressos e continuar a ingressar em dinheiro por meio de streaming. Acho que agora é mais fácil ganhar dinheiro no negócio, se você souber como trabalhar o sistema.”, contou Jorge.

É importante acompanhar o surgimento de novas formas de consumo, principalmente porque o digital é o futuro. O crescimento da música latina é, em partes, resultado disso. Confira o evento completo em:


Comentários
    Fechar Menu