Diego Torres lança no Brasil CD Distinto

 

Com uma carreira de mais de 18 anos e um dos cantores latinos de maior sucesso internacional, o argentino Diego Torres investe todas as suas fichas no novo mercado brasileiro com o lançamento de seu primeiro disco por aqui, “Distinto”, 8º álbum da carreira e primeiro pela Universal Music. Encantado com a musicalidade e receptividade brasileiras – Diego foi apresentado por nada mais nada menos que Ivete Sangalo na gravação do DVD da cantora em NY -, o músico esteve em Salvador este final de semana para a estreia da turnê de Ivete e em breve repetirá o dueto no hit “Ahora Ya Sé (Agora eu já sei)” no Brasil. Antes de chegar ao Brasil para o final de semana e a participação especial no novo programa da Hebe, na última segunda-feira, Diego fez uma escala em Miami para gravar o tema da Copa América, uma composição própria e inédita.

O álbum Distinto marca uma aproximação de Diego Torres com o rock, um terreno que sempre o encantou e uma evolução natural do pop de seus discos anteriores. “Há uma mudança de direção artística nos arranjos. Queria me renovar e dar algo de novo”, conta ele. O primeiro single, “Guapa”, escrito com Noel Schajris (Sin Bandera), bateu todos os recordes de execução dos últimos três anos na Argentina em um só dia, sendo a música mais tocada nas rádios daquele país durante a semana de lançamento.

Mais de 50 milhões de pessoas ouviram a faixa simultaneamente em todo o mundo no dia de estreia. No YouTube, o clipe já soma mais de 4,5 milhões de views. Confira: http://www.youtube.com/watch?v=8Ef8dpz6_eA. O hit também chegou ao topo das paradas em países como Colômbia, Equador, Peru, Venezuela, Chile, Uruguai e Paraguai.

Co-produzido por Diego Torres e Rafa Arcaute e gravado em diversos estúdios de Miami, Los Angeles, Madrid e Buenos Aires, “Distinto” aposta em um som mais rítmico e orientado para o rock, sem perder a essência que tornou a marca pessoal do cantor. Diego é co-autor das 10 faixas que compõem o álbum e contou com colaboradores de luxo: Mala Rodríguez (expoente máximo do hip-hop ibérico) que deu um toque único a “Mirar Atrás”; Yotuel (líder dos Orishas, grupo que se consagrou por fundir o hip-hop com a sonoridade cubana) em “Cuando No Queda Nada”; e Kevin Johansen (um dos músicos argentinos mais talentosos da cena atual) em “Bendito”. O álbum também levou o Grammy Latino na categoria Engenharia de Gravação este ano.

Comentários